Ajude seu filho a compreender melhor as emoções dele

Saber lidar com as próprias emoções pode ser um desafio para muitos adultos. Mas talvez isso se tornasse mais fácil e natural caso fosse algo exercitado desde criança. “Trabalhar as competências socioemocionais em crianças tem vários benefícios a longo prazo, como a melhora nos relacionamentos e na saúde”, diz Tonia Casarin, professora de pós-graduação do Instituto Singularidades, consultora em Educação e autora do livro “Tenho Monstros na Barriga”, usado como uma ferramenta para as crianças aprenderem a identificar as próprias emoções.

“Desde que o bebê nasce, é importante que os pais tenham consciência do clima da casa, que influencia bastante os pequenos. Promover o acolhimento dos sentimentos e nomeá-los é fundamental para a educação emocional”, explica Tonia. “Nos primeiros anos, enquanto o bebê ainda não fala, os pais podem inclusive nomear as emoções para eles, como: ‘Eu sei que está frustrado, filho’ ou ‘Você morde porque está com raiva e ainda não consegue dizer isso. Precisa expressar a sua raiva de outra maneira.’”

A consultora lembra ainda que, ao nascer, o bebê não possui o cérebro totalmente formado. E a parte responsável por regular as emoções se desenvolve até mais ou menos os 25 anos. Ou seja, é comum que as crianças não consigam controlar as suas emoções simplesmente por não estarem biologicamente prontas para isso.

Confira algumas dicas de Tonia para ajudar o seu filho nesse processo de conhecer melhor o que ele sente

1. Seja expressivo

Você é o primeiro professor do seu bebê sobre sentimentos. Mesmo antes que ele compreenda plenamente as palavras, está aprendendo sobre o mundo por meio dos seus pais. Olhares expressivos ou cautelosos e o tom de voz poderão orientar, advertir ou consolá-lo, dependendo da situação.

2. Saiba que o bebê pode “ler” o seu rosto

Ele aprende sobre emoções com base nas expressões no seu rosto. Conforme o bebê cresce, ele desenvolve a capacidade de ler as suas emoções. Na verdade, mais do que isso, ele se guia pelas suas expressões emocionais.

3. Lembre-se de que o bebê aprende ouvindo o tom de sua voz

Mesmo que ainda não compreenda as palavras, ele entende o sentimento comunicado por meio do tom de voz. Já percebe que tons diferentes aplicados nas frases comunicam mensagens diferentes.

4. Tenha em mente que o bebê toma decisões com base nas suas expressões, no tom da sua voz e nas palavras que você usa

Com as suas mensagens de incentivo ou precaução, o seu bebê está aprendendo a navegar neste mundo. Esse processo de aprendizagem é chamado pelos pesquisadores na área de “referência social”. Ainda que ele não entenda todas as suas palavras, pode olhar para a expressão em seu rosto para decidir o que fazer ou não.

5. Ajude o seu bebê a aprender a ser expressivo

Seja entusiasta! Fale com o seu filho de uma forma positiva. Não tenha vergonha de dizer de forma categórica “role a bola para mim!” ou falar efusivamente “cuidado, a água está muito quente!”.

6. Combine a expressão facial com as suas emoções

Demonstre os sentimentos de modo claro, para que o seu rosto, as palavras e o seu tom de voz comuniquem o que você quer dizer. O bebê vai entender melhor quando a sua expressão facial, o tom de voz e as ações durante a mensagem expressarem o que você sente e forem coerentes. A ironia ainda não é assimilada pela criança nessa faixa etária.

7. Crie um espaço seguro para que a criança se expresse

Uma criança de dois anos, por exemplo, pode mostrar um forte senso individual e responder diversos “nãos” aos pedidos de um adulto, simplesmente para se afirmar. Auxilie a criança a reconhecer os seus sentimentos e nomeá-los. Essa ação vale não apenas para as emoções dela, mas também para entender como os outros podem se sentir e já começar a desenvolver empatia.

Conheça os principais conceitos da chamada disciplina positiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *