Por que é recomendado ler para as crianças

A audição é um dos principais sentidos para o recém-nascido. A melodia da fala, principalmente da voz da mãe, tem o poder de reter a atenção e até mesmo acalmar e confortar os bebês. Esse é um dos motivos que leva começar a ler para o seu filho desde cedo ser tão benéfico.

O hábito ajuda a fortalecer o vínculo afetivo e contribui para que os pequenos aprendam como se dá a comunicação, a narrativa e as relações de causa e consequência, por exemplo. “O contato dos bebês com o mundo se faz com a mediação de um adulto. E as histórias são uma forma de construir essa mediação”, diz Ana Luísa Lacombe, atriz e escritora, que se dedica à arte de contar histórias há 15 anos e mescla o trabalho de narração com suas experiências no teatro.

Ela ressalta que livros ilustrados são muito estimulantes. “As figuras podem ser exploradas e os adultos podem ‘ler’​ as imagens. Ao contar uma história, tente também gestos e brincadeiras com as mãos (dedo mindinho, seu vizinho, pai de todos…), incentivando a criança a entrar em contato com o seu corpo”, recomenda. Outro recurso é o uso de bonecos ou brinquedos, desde que quem esteja fazendo isso se sinta bem e consiga gerenciar essa manipulação com a narrativa. “Muitas vezes só a palavra e as brincadeiras com sons que conseguimos fazer com a boca e o corpo são suficientes. O bebê adora brincar com os sons da boca. Provocá-lo a explorar isso pode ser bem legal”, orienta Ana Luísa.

Ainda que seu bebê não permaneça quieto, é interessante investir nas histórias

Os bebês aprendem muito por meio do próprio corpo. Quando eles começam a engatinhar e andar realmente não é possível mantê-los imóveis, prestando atenção em uma história. “Mas o fato de estarem em movimento não significa que não estejam se relacionando com a narrativa.​ Temos que deixá-los explorar. É o trabalho deles nessa fase. São cientistas realizando experiências e conhecendo o mundo que os cerca. É importante entender isso e fazer com que a história esteja integrada a esse movimento”, avalia a atriz e escritora.

Aposte em contos curtos e não se esqueça de que o ritmo de contar uma história deve ser sempre mais lento do que a fala coloquial. É necessário respeitar o processo da construção mental daquilo que é dito – e isso vale para bebês, crianças ou adultos. “A cada etapa a criança se apropria de coisas diferentes. A entrada no mundo simbólico ocorre por volta dos três ou quatro anos. Nesse momento, o faz de conta ganha sentido e, por isso, é a fase em que os contos de fadas e o mundo maravilhoso passam a fervilhar no imaginário.​ A partir dessa idade, elas conseguem dedicar um tempo maior de atenção e experimentam dramatizar o que ouvem ou imaginam”, explica Ana Luísa.

Crie uma rotina

Estabelecer uma rotina é bom para as crianças, já que colabora para que se sintam seguras e organizem melhor suas demandas. Então, uma boa pedida é incluir o costume de ler antes de dormir. São instantes de total atenção e que representam um período que se dará uma separação entre a criança e os pais. Essa separação pode ser conduzida por meio de uma história.

Veja também como escolher bons livros para as crianças, em meio a tantas opções

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *