7 dicas para estimular experiências com música em casa

O contato desde cedo com a música, além de prazeroso, traz muitos benefícios para os processos de aprendizagem das crianças. Isso porque as melodias e a experimentação de instrumentos musicais estimulam áreas do cérebro que serão futuramente usadas para outras funções, como ler.

“Conhecer e vivenciar música amplia referências, fortalece a identidade cultural, pode ajudar a relaxar, instigar a imaginação e desenvolve a percepção auditiva. Também afeta diversos parâmetros do sistema nervoso e da neuropsicologia [relações entre o cérebro e o comportamento] do bebê”, ressalta Enny Parejo, diretora do Enny Parejo Atelier Musical, um espaço que promove cursos de formação em pedagogia musical, musicalização infantil, formação musical para o público em geral e elaboração de material didático. A seguir, ela lista alguns pontos que você pode incluir na rotina de uma forma lúdica para que a música faça parte das brincadeiras com o seu filho.

1. Ouça músicas de estilos variados

Bebês e crianças podem – e devem – escutar músicas dos mais diferentes gêneros, sejam instrumentais, eruditas, populares, étnicas… Procure apresentar um repertório rico e valorize canções tradicionais da infância, como as cantigas de roda. Momentos de silêncio também são importantes e deve-se cuidar sempre para não hiper estimular os pequenos.

2. Faça brincadeiras com os dedos e jogos com movimentos

Acompanhe as músicas movendo as mãos e os dedos, batendo palmas, criando pequenas coreografias etc. E realize isso concretamente, sem a ajuda de DVDs, tablets ou outras mediações tecnológicas.

3. Cante

O canto a capela, ou seja, somente a voz, auxilia o fortalecimento do vínculo afetivo e pode ser uma boa maneira de fazer com que o bebê relaxe ou inicie o seu processo sono.

4. Chame a atenção para os sons da casa

Explore diferentes barulhos comuns no dia a dia da casa, como o som da água jorrando na torneira, o bater de duas tampas de panela…

5. Construa fontes sonoras com materiais recicláveis

Uma lata transformada em tambor ou um pote de plástico recheado com feijões que se torna um chocalho, por exemplo, podem atrair a curiosidade das crianças e incentivá-las a descobrir novas formas de produzir música. No entanto, especialmente no caso dos bebês e crianças pequenas, certifique-se de que o objeto é seguro para eles e supervisione a brincadeira durante todo o tempo.

6. Acompanhe a música com um instrumento, mesmo que este seja improvisado

Além de trabalhar a atenção, isso faz com que a criança comece a desenvolver noções de ritmo.

7. Tenha alguns instrumentos infantis

Pequenos instrumentos de sopro e percussão podem ser ótimos recursos para os primeiros contatos com a música. Você pode encontrar esse tipo de instrumento em empresas de brinquedos educativos ou especializadas em música. Veja algumas lojas físicas e online onde há boas opções para as crianças:
* MT Instrumentos – na cidade de São Paulo, fabrica ótimos itens para iniciação musical, como flauta de êmbolo, guizos, reco-reco, blocos sonoros e maracas.
* Tambores Zé Benedito – também em São Paulo, produz tambores e instrumentos de percussão de boa qualidade.
* Jog Music – loja instalada em Rio Claro, no interior de São Paulo, conta com instrumentos como pandeiros, bongos e outros de percussão.
* Menestrel de Campinas, interior de São Paulo, comercializa jogos e diversos materiais interessantes para educação musical, como tapete musical e amarelinha de notas.
* Fábrica de Pios Maurílio Coelho – fundada em 1903, essa loja de Cachoeiro do Itapemirim, no Espírito Santo, tem apitos diversos de sons de pássaros com CDs ilustrativos.
* Plander de Curitiba, no Paraná, possui uma ampla variedade de instrumentos infantis, como blocos sonoros, apitos, castanholas, tambores etc.

Entenda os benefícios da música para bebês e crianças

Os benefícios da música para bebês e crianças

O fortalecimento do vínculo afetivo é primeiro dos muitos efeitos positivos que a música proporciona para os bebês. “Pesquisas indicam que na vida intrauterina os bebês já têm percepções auditivas. Não exatamente identificando melodias, mas, sim, vibrações e noções dos sons, tanto internos, quando a mãe fala ou canta, por exemplo, quanto de ruídos externos”, diz Roberto Schkolnick, professor de musicalização de educação infantil e ensino fundamental e coordenador do projeto Cantando pelo Mundo – cantigas e brincadeiras, vinculado ao PEA (Programa das Escolas Associadas) da Unesco, organização das Nações Unidas para a educação, a ciência e a cultura.

Música desde cedo

Os recém-nascidos têm a audição mais desenvolvida do que a visão. Isso colabora para que a fala dos pais, a intenção musical na forma de dizer as palavras e determinadas entonações de voz ajudem a tranquilizá-los em alguns momentos. “O reconhecimento de timbres, a voz dos pais, o barulho de diferentes objetos etc. vão ampliando o reconhecimento de ruídos que o bebê é capaz de notar e isso faz com que ele consiga ir percebendo melhor o mundo à sua volta por meio dos sons”, explica Schkolnick.

O ato de cantar é muito importante na construção dos vínculos afetivos de pais e cuidadores com o bebê e deixa marcas de aquisições musicais e culturais. Mais para a frente, contribuirá inclusive para o repertório e a variedade de vocabulário da criança. “Brincadeiras que utilizam música e acompanham o ritmo da melodia, como cantarolar ‘serra, serra, serrador…’ e fazer movimentos que sigam a canção, proporcionam ainda benefícios para a coordenação e desenvolvimento motor do bebê”, relata o especialista.

Ele sugere também experimentar criar em casa alguns objetos sonoros para estimular a curiosidade e s sentidos do bebê. “Construa chocalhos, colocando em um pote, por exemplo, grãos de arroz, em outro, feijões ou areia. Brinque com o seu filho e deixe que ele sinta as diferentes vibrações, ouça os sons produzidos… Essa exploração é uma brincadeira gostosa de fazer e insere a criança na ação. Ela passa para a prática e não apenas recebe e ouve os barulhos.”

Varie o repertório

Ao colocar músicas para que seu filho escute, não se preocupe em ficar restrito às canções do universo infantil, apresente a ele um repertório diversificado. Isso é um bom desafio até mesmo para as famílias que não têm o hábito de desvendar novos ritmos. “Principalmente nessa fase do início da vida, em especial a mãe e o bebê estão muito abertos para um aprendizado mútuo de mundo. Novas descobertas acontecem de forma constante e é uma ótima oportunidade de ouvir estilos musicais que não se estava acostumado até então”, observa Schkolnick.

Controle a ansiedade e observe as reações do bebê

Procure dosar os sons aos quais o bebê é exposto e não exagere na quantidade de estímulos simultâneos ou consecutivos. Cuidado particularmente com aparelhos tecnológicos e brinquedos sonoros que possuem muitos botões de sons. “E não crie uma expectativa excessiva. A criança pode não permanecer parada e prestando atenção. Mas isso não significa que não absorveu o que foi mostrado”, alerta o educador. “Observe seu filho e tente reconhecer as identificações dele. Os bebês e as crianças vão dando pistas do que preferem. Fique atento aos sinais.”

Ler e contar histórias para bebês e crianças também é muito importante. Quanto antes começar, melhor!

Programação infantil especial no Museu da Imigração

Brinquedos educativos, oficinas, apresentação musical, pintura para bebês… De 4 a 29 de janeiro, o Museu da Imigração contará com uma programação pensada especialmente para o público infantil. Todas as atividades são gratuitas e dedicadas a crianças até 10 anos.

Além de atrações em datas específicas, foi criado um espaço chamado Mundo de Brincar, que funcionará durante todo o período da ação. Nessa área, os pequenos podem se divertir com brinquedos educativos, fantoches, bonecas, jogos de tabuleiro, piscina de bolinha, cama elástica e diversos livros. O local fica aberto de quarta-feira a domingo, das 11h às 17h, basta chegar e fazer um rápido cadastro.

Para participar das outras atividades, é necessário se inscrever pelo e-mail inscricao@museudaimigracao.org.br. O ingresso que permite a entrada no museu e acesso às exposições custa R$ 6.

Confira a programação:

CAÇA-TRILHA – Todas as quartas-feiras de janeiro, das 15h às 16h30
A partir de 8 anos
As crianças percorrerão o museu em busca de pistas, aprendendo sobre histórias da Hospedaria de Imigrantes do Brás.

MEU AMIGO DE PAPEL – 8 de janeiro, das 15h às 16h
A partir de 6 anos
Oficina de fantoches de papel para crianças.

PINTURA PARA BEBÊS – 14 de janeiro, das 15h às 16h
De zero a 2 anos
Uma enorme folha de papel craft será estendida no jardim do museu para os bebês realizarem uma grande pintura.

APRESENTAÇÃO DA DUPLA ENCANTORÉ – 15 de janeiro, das 15h às 16h
Faixa etária livre
Os músicos farão um show interativo, usando vários instrumentos, como sanfona, tambor e pandeiros.

É PRA COMER OU PRA BRINCAR? – 22 de janeiro, das 15h às 17h
A partir de 6 anos
Os pequenos aprenderão a fazer a receita de Biscoito Dominó e aproveitarão uma tarde de jogos no museu.

BORA FAZER PIPA? – 29 de janeiro, das 15h às 16h30
A partir de 8 anos
Utilizando referências regionais e culturais, os participantes serão convidados a confeccionar suas próprias pipas.

Museu da Imigração
Endereço: Rua Visconde de Parnaíba, 1316
Telefone: (11) 2692-1866

Ao lado do Museu da Imigração, é possível fazer um passeio de maria-fumaça e conhecer um pouco mais sobre a história do local. Saiba mais!